COLHEITA DE AMOSTRAS PARA ANÁLISE

COMO COLHER AMOSTRAS DE QUALIDADE?

Colheita de Sangue para Análise.

A COLHEITA DE AMOSTRAS PARA EXAMES É ATRIBUIÇÃO EXCLUSIVA DO MÉDICO VETERINÁRIO NÃO PODENDO, PORTANTO, SER DELEGADA A OUTRAS PESSOAS COMO PROPRIETÁRIOS DE ANIMAIS OU PEÕES DE CAMPO.

 

Para diagnóstico da AIE e Mormo, preferencialmente utilizar sistema vacultainer e tubos com ativador de coágulo (tampa vermelha) para facilitar a separação do soro. Após a colheita deixar o tubo inclinado num angulo de 45° por pelo menos meia hora para facilitar a obtenção de soro sem hemólise.

 

 

TÉCNICA DE COLHEITA DE AMOSTRAS SEM USO DE TUBOS A VÁCUO:

Separar os materiais necessários: tubos, etiquetas, seringa, agulha e algodão embebido em antisséptico.

Sempre que necessário depilar a região. Realizar assepsia local.

Fazer garrote ou pressionar com o dedo sobre o vaso sanguíneo que vai ser puncionado. Este garrote não deve ser prolongado.

Introduzir com firmeza a agulha na pele e depois no vaso sanguíneo. Cuidado para não estourar a veia levando à formação de hematoma.

Imediatamente após penetrar a agulha no vaso, deve-se retirar o garrote de aspirar o sangue.

Retirar a agulha e pressionar com algodão embebido em antisséptico.

A manipulação e o acondicionamento do sangue depende do tipo de exame que vai ser feito.

 

 

TÉCNICA DE COLHEITA DE AMOSTRAS USANDO TUBOS A VÁCUO:

Antes de iniciar uma punção, certificar-se que o material abaixo será de fácil acesso: tubos, etiquetas para identificação do animal, algodão embebido em antisséptico, adaptador e agulhas múltiplas.

Fazer antissepsia do local da punção.

Remover a capa inferior da agulha múltipla e conectá-la ao adaptador.

Remover a capa superior da agulha múltipla, mantendo o bisel voltado para cima.

Fazer o garrote.

O sistema agulha-adaptador deve ser apoiado na palma da mão e mantido firme entre o indicador e o polegar.

No ato da punção, com o indicador ou polegar de uma das mãos, esticar a pele do animal firmando a vaso escolhida e com o sistema agulha-adaptador na outra mão, puncionar a veia com precisão e rapidez (movimento único).

O sistema agulha-adaptador deve estar em um ângulo de colheita de 45° em relação ao braço ou pescoço do animal.

Segurando firmemente o sistema agulha-adaptador com uma das mãos, com a outra pegar o tubo de colheita a ser utilizado e conectá-lo ao adaptador.

Sempre que possível, a mão que estiver puncionando deverá controlar o sistema, pois durante a colheita a mudança de mão poderá provocar alteração indevida na posição da agulha.

Com o tubo de colheita dentro do adaptador, pressione-o com o polegar, até que a tampa tenha sido penetrada. Sempre manter o tubo pressionado pelo polegar assegurando um ótimo preenchimento.

Tão logo o sangue flua para dentro do tubo coletor, o garrote deverá ser retirado. Porém, se a veia for muito fina o garrote poderá ser mantido.

Quando o tubo estiver cheio e o fluxo sanguíneo cessar, remova-o do adaptador trocando-o pelo seguinte.

Acoplar o tubo subsequente em ordem específica a cada um dos exames solicitados, sempre seguindo a sequência correta de colheita.

À medida que forem preenchidos os tubos, homogeneizá-los gentilmente por inversão (4 a 6 vezes).  Agitar vigorosamente pode causar espuma ou hemólise. Não homogeneizar ou homogeneizar de modo insuficiente os tubos de sorologia pode resultar em uma demora na coagulação.

Tão logo termine a colheita do último tubo retirar a agulha. Pressionar o local da punção com algodão embebido em antisséptico.

 

 

IDENTIFICAÇÃO DAS AMOSTRAS:

Os tubos devem ser devidamente identificados com:

Espécie - EQUINO, ASININO, MUAR - para exames de Mormo.

Nome do Animal.

Sexo do Animal.

Prenhez Positiva- para exames de Mormo.

 

IMPORTANTE: INFORMAÇÃO INCORRETA SOBRE A ESPÉCIE, SEXO E EXISTÊNCIA DE PRENHEZ PODEM ACARRETAR EM ERROS NA EXECUÇÃO DO EXAME DE MORMO - FIXAÇÃO DE COMPLEMENTO.

 

 

ACONDICIONAMENTO E TRANSPORTE:

O acondicionamento do material biológico é uma etapa de suma importância para manutenção da qualidade, no processo de realização de exames. Cada material biológico é acondicionado conforme o exame solicitado.

As amostras, após identificação, devem ser organizadas em estantes apropriadas e conservadas em caixa de isopor com gelo preferencialmente reciclável, à  temperatura entre 2° C e 8°C.

Lacrar a caixa com fita adesiva larga.

Colocar os documentos (que obrigatoriamente devem acompanhar as amostras) num envelope fechado e afixar o envelope na tampa da caixa na parte superior.

 

DOCUMENTAÇÃO OBRIGATÓRIA QUE ACOMPANHA A AMOSTRA:

 

Requisição de Exame conforme a enfermidade (usar a requisição fornecida pelo laboratório, seriada).

Termo de Nomeação ao Portador Pessoa Física caso a mostra seja entregue por portador;

Termo de Nomeação ao Portador Pessoa Jurídica, quando a(s) amostra(s) for (em) encaminhada(s) ao laboratório através de empresas transportadoras.

 

O Laboratório Saúde Animal disponibiliza todos os formulários necessários para o envio das amostras. Entre em contato com a nossa Equipe!

(67) 3241-8340 (67)99888-5882

saudeanimallab@hotmail.com

Desenvolvido por: Ideiasweb